Volume de dados: como gerir de forma eficiente?

O volume de dados e a sua diversidade continuam a crescer nas empresas, ano após ano. Mas, enquanto novas ferramentas e serviços estão redefinindo os processos a uma velocidade incrível, muitos gestores ainda não sabem como começar.

De fato, as empresas sempre lutaram para garantir um alto nível de qualidade de dados. Só que, na era digital de hoje, em que eles emergem cada vez mais como um fator de produção, há uma pressão crescente para usar ou produzir dados de alta qualidade.

Os dados estão no centro da direção estratégica, tática e operacional de cada organização. Logo, ter processos adequados de qualidade correlaciona-se diretamente com a capacidade de uma organização tomar as decisões corretas e garantir o seu sucesso econômico.

O volume de informações só tende a aumentar. Todos os sinais apontam para o crescimento extremo (e inevitável) da indústria, e ver como esses dados podem ser importantes certamente trará um aumento no investimento em breve.

Por conta disso, espera-se que as empresas busquem o gerenciamento de dados, análises avançadas e computação cognitiva para se manterem competitivas e gerarem receita. É disso que este post tratará. Confira:

Por que estabelecer uma estratégia de dados para a empresa?

O surgimento de tecnologia de comunicação, automação de processos e um número crescente de novas fontes de geração de dados resultou em inúmeros recursos de informação — sobre consumo de serviços, qualidade de serviço, preferências pessoais e muito mais. E esses dados têm mesmo o potencial de melhorar todos os aspectos das operações e dos processos comerciais.

O problema é que, hoje, muitas empresas coletam e gerenciam grandes volumes desses dados com pouca ou nenhuma previsão.

Assim como o planejamento é fundamental para qualquer projeto de negócios estratégico, a estratégia é de extrema importância quando se trata de grande volume de dados. Afinal, todos os elementos do processo devem ser propostos e alinhados de perto com os objetivos comerciais.

Nesse sentido, as empresas que sofrem de problemas de qualidade de dados devem começar definindo um conjunto curto de diretrizes, em que se reconhece, por exemplo, que a idade das digitalizações precisa ser repensada e que os dados devem ser vistos como um fator de produção importante.

Então, qual é o caminho certo?

Você deve começar com uma questão comercial estratégica e, depois, adquirir os dados necessários para responder a essa pergunta. Só então você pode começar a visualizar o contexto da sua empresa, realizando descobertas comerciais e fornecendo inteligência acionável.

Como gerir o volume de dados da sua empresa?

Quando se trata de melhorar a qualidade dos dados, é essencial nutrir uma cultura empresarial que os reconhece como um fator chave de produção para gerar percepções. E, para garantir isso, temos o chamado ciclo de qualidade de dados.

Grosso modo, ele é composto por um processo iterativo de análise, limpeza e monitoramento dos dados. E isso pode ser feito automaticamente via software, aplicando regras de negócios definidas.

O conceito de ciclo enfatiza que a qualidade dos dados não é um projeto único, mas um empreendimento em andamento. Assim, no final do ciclo, há uma transição fluente da iniciativa original de qualidade de dados para a segunda fase: a proteção contínua dessa qualidade dos dados.

Tendo isso em mente, vejamos a seguir cinco dicas para melhorar o volume de dados da sua empresa:

1. Flexibilize a arquitetura de armazenamento

Muitas organizações seguem abordagens centralizadas, voltadas para o controle de arquiteturas de dados e informações. Anteriormente conhecidas como engenharia de informação e agora como gerenciamento de dados, essas abordagens de cima para baixo geralmente não são adequadas para suportar uma ampla estratégia de dados.

Ainda que sejam eficientes para padronizar informações empresariais, elas podem dificultar a flexibilidade, tornando mais difícil aplicar estrategicamente a personalização de dados ou os resultados obtidos.

Uma abordagem mais flexível e realista, por tanto, das arquiteturas de dados e informações envolve hoje tanto uma única fonte de verdade quanto múltiplas versões.

2. Invista em softwares

Como dissemos, há diversos softwares no mercado que ajudam os usuários a entender os novos requisitos de conformidade e aumentam a administração de dados, definindo a qualidade e as regras de conformidade.

Os administradores de dados — implantados em conjunto com a inteligência da máquina, bots e outras tecnologias — podem automatizar muitas tarefas tradicionalmente manuais de governança, supervisão e responsabilidade.

3. Busque soluções de virtualização

Ao migrar o armazenamento para a nuvem, você confia a segurança dos dados de pequenas empresas a especialistas nas últimas práticas recomendadas. Como resultado, sua equipe pode se concentrar nas principais áreas de negócios da empresa sem se distrair com essas preocupações de segurança.

Vale ressaltar que os provedores de nuvens mais respeitáveis, como a Amazon ou o Google, têm um histórico e uma reputação que os provedores de nuvem barata e desconhecida provavelmente não podem corresponder. Por outro lado, preço e qualidade de atendimento pode ser algo que empresas maiores, com centenas de milhares de clientes, podem não entregar de forma satisfatória.

Então, se você planeja comparar as ofertas, procure empresas que possam competir tanto na qualidade como no preço. Peça para ver as suas certificações de segurança e sempre solicite referências.

4. Preste atenção na segurança

A defesa dos dados consiste em minimizar os riscos negativos. Isso inclui garantir a conformidade com os regulamentos — como regras que regem a privacidade dos dados e a integridade dos relatórios financeiros, por exemplo —, usando análises para detectar e limitar a fraude e construir sistemas para evitar roubo.

Os esforços defensivos também asseguram a integridade dos dados que fluem pelos sistemas internos de uma empresa, identificando, padronizando e gerindo fontes de dados autorizadas, como informações fundamentais do cliente e do fornecedor ou dados de vendas.

5. Defina uma equipe de controle de dados

Hoje em dia, muitas organizações costumam empregar um administrador de dados que se concentra, principalmente, na qualidade e na uniformidade dos dados.

Afinal, com os dados considerados cada vez mais como um ativo comercial vital, muitas vezes é preciso ir além do gerenciamento simples de dados e contratar funcionários específicos para se concentrarem apenas nessa gestão.

E você, como gerencia o volume de dados da sua empresa? Gostou do post? Sobrou alguma dúvida sobre o assunto? Deixe-nos o seu comentário!

Under

Com mais de 15 anos de mercado, a Under é referência em serviços de nuvem e data center. Com escritórios em São Paulo, Porto Alegre e dois data centers tier 3 no Brasil, a companhia tem atualmente mil clientes corporativos em todo o país. Para mais informações sobre os serviços e vantagens que a Under pode trazer para a infraestrutura de TI do seu negócio, acesse www.under.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This