Gestão de risco: o que é e como fazer de forma eficiente?

Se você possui ou gerencia uma empresa que faz uso da Tecnologia da Informação (TI), é importante identificar as ameaças para seus sistemas e dados, reduzir ou realizar a gestão de risco e desenvolver um plano de resposta em caso de crise.

Os CEOs de empresas têm obrigações legais em relação à privacidade, às transações eletrônicas e ao treinamento de pessoal. Tudo isso influencia as estratégias de gestão de risco de TI. Infelizmente, você não pode prever quando ocorrerá um ataque e o que isso pode envolver. Se ocorrer um incidente de segurança, você deve minimizar o impacto e voltar aos negócios o mais rápido possível.

Um plano de resposta ao incidente de segurança cibernética ajudará você e sua empresa a se preparar e responder a ele de forma rápida e eficaz.

Os riscos de TI incluem falhas de hardware e software, erros humanos, spam, vírus e ataques maliciosos, bem como desastres naturais, como incêndios ou inundações.

Os impactos para a empresa incluem comprometimento da confidencialidade dos dados do cliente, danos à reputação, multas regulatórias e honorários legais, danos ao seu crédito e incapacidade de garantir empréstimos bancários, para não mencionar inconvenientes extraordinários e diminuição da produtividade.

Você pode gerenciar problemas de TI ao completar uma avaliação de risco de negócios. Ter um plano de continuidade de negócios pode ajudar sua empresa a se recuperar de um incidente de TI.

Este artigo ajudará você a entender os riscos de TI e fornecerá informações sobre formas de se preparar e responder a incidentes de TI.

Qual é a importância da gestão de risco?

Nos negócios de hoje, o risco representa uma questão crítica. Quase todas as decisões empresariais exigem que os executivos e gerentes equilibrem o risco e a recompensa. A gestão eficaz dos riscos empresariais é essencial para o sucesso de uma empresa.

Muitas vezes, o risco de TI é ignorado. Outros riscos comerciais, como riscos de mercado, risco de crédito e riscos operacionais, foram incorporados nos processos de tomada de decisão corporativa.

O risco de TI foi relegado a especialistas técnicos fora da sala de reuniões, apesar de cair sob a mesma categoria de risco “guarda-chuva”, como outros riscos comerciais.

Todas as empresas que usam TI, seja uma startup ou grandes corporações, podem se beneficiar da gestão de risco de TI. Esse risco pode ser personalizado para qualquer tipo de empresa em qualquer localização geográfica.

As soluções de análise de risco permitem que as empresas tomem decisões conscientes por meio de programas e metodologias de gestão mais inteligentes — direcionando o desempenho do negócio para melhores resultados.

A gestão de risco é tão importante quanto um plano de negócios. Todos pensam que isso não pode acontecer com seu negócio, então não é preciso se preparar para isso. Porém, uma vez que esse risco se torne realidade, você precisa se concentrar em lidar com o evento, ao mesmo tempo que precisa continuar a administrar seu negócio.

Se a sua empresa estiver lutando para reunir uma resposta a uma ameaça enquanto também lida com o incidente, isso dificultará a sua capacidade de informar o público e resolver o problema.

Os recursos combinados da gestão de riscos podem ajudar sua empresa a alcançar um crescimento lucrativo e atender demandas cada vez maiores de conformidade regulamentar nas condições de mercado voláteis e atuais de hoje.

Então, o que é a gestão de risco?

A gestão de risco é um procedimento de identificação, análise e controle de ameaças a uma empresa, que podem ter como resultado uma grande diversidade de fontes, incluindo incerteza financeira, erros de gestão estratégica, responsabilidades legais, acidentes e desastres naturais.

As ameaças à segurança de TI e os riscos relacionados com os dados, bem como as estratégias de gestão de riscos para amenizá-los, tornaram-se uma prioridade para as empresas tecnológicas voltadas à transformação digital.

Como resultado, um plano de gestão de risco inclui cada vez mais os processos das empresas para identificar e controlar as ameaças aos seus ativos digitais, incluindo dados corporativos proprietários, informações pessoais e de propriedade intelectual de um cliente.

O plano deve conter quatro aspectos: um plano de gestão de riscos para minimizar a ameaça; um plano de mitigação para limitar o impacto de qualquer ataque em seu negócio; um plano de resposta para que saiba exatamente o que fazer (e não fazer); e um plano de recuperação de dados para garantir que o seu negócio esteja funcionando novamente o mais rápido possível caso ocorra um imprevisto.

As ameaças gerais aos sistemas e dados de TI incluem:

  • vírus: código de computador que pode copiar e se espalhar de um computador para outro, muitas vezes, interrompendo as operações do computador;
  • falha de hardware e software: perda de energia ou corrupção de dados;
  • spam, fraudes e phishing: e-mail não solicitado que procura enganar as pessoas para revelar detalhes pessoais ou comprar bens fraudulentos;
  • malware: software malicioso projetado para interromper a operação do computador;
  • erro humano: processamento de dados incorretos, descarte de dados de forma descuidada ou abertura acidental de anexos de e-mail infectados.

As ameaças criminais específicas para os sistemas e dados de TI incluem:

  • desonestidade pessoal: roubo de dados ou informações confidenciais, como detalhes do cliente;
  • hackers: pessoas que ilegalmente invadem os sistemas informáticos;
  • negação de serviço: ataques online que impedem o acesso do site para usuários autorizados;
  • fraude: usar um computador para alterar dados para benefício ilegal;
  • falhas de segurança: inclui falhas físicas, bem como online;
  • roubo de senhas: muitas vezes, um alvo para hackers mal-intencionados.

Desastres naturais, como fogo e inundações, também apresentam riscos para sistemas de TI, dados e infraestrutura. Os danos causados ​​aos edifícios e ao hardware podem resultar em perda ou corrupção de registros e transações de clientes.

Em resumo, a gestão de risco:

  • permite a integração com as estruturas globais de risco e conformidade dentro da empresa;
  • fornece uma visão abrangente de todos os riscos relacionados ao uso de TI e um tratamento similarmente completo da gestão de risco para questões operacionais;
  • evolui dinamicamente com uma arquitetura de risco que pode se adaptar eficientemente à medida que as práticas de gestão de riscos, as exigências dos clientes e as tendências de TI mudam;
  • melhora a tomada de decisões, fornecendo ferramentas de gestão, análise de risco, visão e transparência;
  • permite que as empresas compreendam e gerenciem todos os tipos significativos de risco de TI;
  • explica como capitalizar um investimento feito em um sistema de controle de TI já implementado para gerenciar riscos relacionados a TI;
  • fornece benefícios empresariais tangíveis e reduz o custo da conformidade regulamentar;
  • aumenta o retorno sobre o capital, tomando decisões com base no risco sobre como otimizar a alocação de capital e qualificar para incentivos fiscais;
  • acelera e racionaliza os processos de risco para redução de custos de perdas de crédito e gerencia riscos operacionais.

Como criar uma política de gestão de risco corporativa?

A gestão de risco de TI não funciona somente uma vez. Não é um produto a comprar. Em vez disso, é um processo que deve ser realizado de forma contínua. É fundamental que uma organização examine continuamente os riscos e os objetivos de segurança em seu ambiente de negócios e proteja sistematicamente na forma como opera.

A abordagem sistemática deve se estabelecer como um modelo geral para a gestão de risco de negócios, identificando processos relacionados à segurança que devem ser analisados ​​e fornecendo orientação sobre objetivos de segurança, postura de segurança e alternativas de arquitetura de segurança.

A gestão adequada de riscos exige um forte compromisso da alta administração, um processo documentado que apoia a missão da organização, uma política de gestão de risco de informação e uma equipe, inclusive de fornecedores de TI. Depois de identificar o nível aceitável de risco da sua empresa, você precisa desenvolver uma política de gestão de risco de informação.

A política de risco de TI deve ser um subconjunto da política geral de gestão de riscos da organização (os riscos para uma empresa incluem mais do que apenas problemas de segurança da informação) e devem ser mapeados para as políticas de segurança organizacional, que estabelecem o risco aceitável e o papel da segurança como um todo na organização. A política de riscos de TI é focada na gestão de riscos, enquanto a política de segurança é de alto nível e aborda todos os aspectos da segurança. Ela deve abordar os seguintes itens:

  • objetivos;
  • nível de risco que a empresa aceitará;
  • processos formais de identificação de risco;
  • conexão entre a política e os processos de planejamento estratégico da organização;
  • responsabilidades e funções a serem cumpridas;
  • mapeamento de risco para controles internos;
  • abordagem para mudar comportamentos de pessoal e alocação de recursos em resposta à análise de risco;
  • mapeamento de riscos para metas e orçamentos de desempenho;
  • indicadores-chave para monitorar a eficácia dos controles.

A política fornece a infraestrutura para os processos e procedimentos de gestão de riscos da organização e deve abordar todas as questões de segurança da informação, da triagem de pessoal e da ameaça para segurança física e firewalls. Ele deve fornecer orientação sobre como a equipe relaciona informações sobre os riscos da empresa para a gerência sênior e como executar corretamente as decisões da administração em tarefas de mitigação de risco.

Papel das equipes na política de risco de TI

Em organizações líderes, a gestão de risco deve ser um item constante nas agendas de CEOs e conselhos. Para ficar à frente das ameaças, os executivos devem se envolver em um diálogo contínuo para garantir que sua estratégia evolua continuamente e devem fazer os trade-off adequados entre oportunidades de negócios e riscos.

A preparação para a violação começa com a definição das atividades que uma organização deve seguir ao definir uma gestão de risco. A política de risco de TI deve ser clara quanto ao papel de cada um dentro da organização. A política deve conter uma lista de “fazer e não fazer” para a equipe seguir.

O que a política realmente deve fazer é apontar para promover o comportamento de segurança inteligente. Seu plano deve ser criar uma cultura em que os funcionários saibam o que se espera deles — e que são inteligentes o suficiente para detectar possíveis problemas de segurança em cenários reais de risco.

Gerentes de negócios

Eles precisam entender o que é o risco de TI e como ele pode ajudar a suportar seus processos de negócios. Os acordos firmados de contratação de novos sistemas devem ser feitos sob o conceito de segurança do negócio e devem ser responsáveis por decisões críticas. Por exemplo, se os sistemas comerciais devem ser desligados em caso de ameaça.

Representantes da TI

Como a equipe de TI interage? Que ações são realizadas pela equipe de TI durante as operações de resposta a uma ameaça? A equipe terá acesso fácil à rede e aos logs de sistemas para fins de análise? A equipe poderá fazer recomendações para melhorar a segurança da infraestrutura organizacional?

Representantes do departamento jurídico

Quando e como o departamento jurídico deve estar envolvido nos esforços de resposta a incidentes? O pessoal jurídico também pode ser necessário para revisar acordos de confidencialidade, desenvolver uma redação apropriada para entrar em contato com outros sites e organizações, e determinar a responsabilidade do site para incidentes de segurança do computador.

Representantes de recursos humanos

Podem auxiliar no desenvolvimento de descrições de trabalho para contratar pessoal e na criação de políticas e procedimentos para remover empregados internos envolvidos em atividades de informática não autorizadas ou ilegais.

Representantes de relações-públicas

Devem estar preparados para lidar com quaisquer perguntas da mídia e ajudar a desenvolver políticas de divulgação de informações e de práticas.

Especialistas em auditoria e gerenciamento de riscos

Eles podem ajudar a desenvolver métricas de ameaças e vulnerabilidade, avaliações, melhores práticas de segurança em toda a organização.

Como fazer uma boa gestão de risco na área de TI?

Para priorizar e gerenciar o risco de TI, os CEOs precisam de um quadro de referência e uma compreensão clara da função de TI e do seu risco. No entanto, mesmo as pessoas que devem ser responsáveis pela gestão de riscos dentro da empresa, muitas vezes, não tem um entendimento completo.

O risco de TI não é apenas uma questão técnica. Embora os especialistas em assuntos de TI ajudem a entender e gerenciar aspectos do risco de TI, a gestão de negócios é mais importante.

Os gerentes de negócios determinam o que a TI precisa fazer para suportar seus negócios; eles estabelecem as metas para TI e são responsáveis ​​pela gestão dos riscos associados.

A estrutura de TI permite que a empresa tome as decisões adequadas e permite aos usuários compreender como responder ao risco.

Todos os processos de gestão de riscos seguem as mesmas etapas básicas. Juntas, estas 6 etapas combinam para oferecer um processo de gestão de risco simples e eficaz.

1. Identificar o risco

Você e sua equipe descobrem, reconhecem e descrevem os riscos que podem afetar seu negócio ou seus resultados. Existem várias técnicas que você pode usar para encontrar os riscos no negócio da empresa, desde o processo operacional até o atendimento ao cliente. Nem todos os dados precisam ser protegidos da mesma maneira; algumas informações são públicas, algumas informações são confidenciais da empresa e algumas informações são privadas. A quantidade de recursos financeiros que a organização gasta para protegê-la depende da sua importância para a organização.

Os dados têm valor, tanto na quantidade de vantagem competitiva que os dados permitem quanto nos custos difíceis associados à divulgação não autorizada desses dados. Um esforço bem-sucedido de classificação de dados determinará o valor intrínseco ou de evitação de custos do conjunto de dados. Uma vez que uma organização determina o verdadeiro valor dos dados, pode determinar quanto gastar para protegê-lo.

Existem muitos dados de local (por exemplo, bancos de dados de produção, cópias de backup, data warehouses, lojas de dados departamentais, sistemas de teste e desenvolvimento). A localização torna-se crucial para determinar como protegê-lo.

2. Analisar o risco

Isso é crítico e pode evoluir ao longo do tempo. É perfeitamente possível que uma empresa não tenha uma imagem completa de quem tem acesso a certos tipos de dados. Ao identificar isso, uma empresa pode determinar quem tem uma necessidade legítima de vê-los e pode restringir ainda mais o acesso.

Uma vez que os riscos são identificados, você determina a probabilidade e a consequência de cada risco. Você desenvolve uma compreensão da natureza do risco e seu potencial para afetar as metas e os objetivos da empresa.

3. Avaliar ou classificar o risco

Avalie ou classifique o risco determinando a magnitude dessa ameaça, que é a combinação de probabilidade e consequência.

Conduza as avaliações configurando pontuações e classificando-as usando uma matriz de risco simples. Transmita as pontuações para uma entidade ou organização avaliada. Defina a lógica para calcular pontuações de risco inerentes e residuais, e veja e analise essas pontuações por meio de mapas de calor flexíveis.

Ao completar um processo de classificação de dados, uma organização pode determinar quanto esforço e custo são necessários para proteger adequadamente os ativos de informação mais críticos. Uma vez que uma organização tenha concluído uma iniciativa de classificação de dados, decisões gerenciais podem ser feitas para equilibrar despesas de segurança com o valor real dos dados que a organização está tentando proteger.

4. Tratar o risco

Isso também é referido como Planejamento de Resposta ao Risco. Durante essa etapa, você avalia seus riscos classificados mais altos e estabelece um plano para tratar ou modificar esses riscos para alcançar níveis de risco aceitáveis.

Como você pode minimizar a probabilidade de riscos negativos e aumentar as oportunidades? Você cria estratégias de mitigação de risco, planos preventivos e planos de contingência nessa etapa. Defina um plano de ação e acompanhe o processo de remediação e os problemas de risco mais altos ou mais sérios.

5. Monitorar e rever o risco

Embora a maioria das estruturas líderes de controle de segurança incluam controles de verificação, chamamos atenção especial para isso como parte do processo de gestão de risco. Periodicamente, as organizações devem avaliar seus controles de segurança para obter garantia sobre a eficácia do controle da segurança e determinar se os controles estão operando como pretendido dentro das organizações.

Muitas vezes, vejo organizações com departamentos de auditoria interna que se concentram amplamente nos controles internos sobre relatórios financeiros. Avaliar os controles de segurança (por meio de uma combinação de testes de controle e testes de penetração) também é uma ótima maneira para os departamentos de auditoria interna continuarem a agregar valor aumentando a postura geral de segurança da organização.

O risco é sobre a incerteza. Se você colocar uma estrutura em torno dela, então você efetivamente desrespeitará seu negócio. E isso significa que você pode mover-se muito mais com confiança para alcançar os objetivos da sua empresa. Ao identificar e gerenciar uma lista abrangente dos riscos, as surpresas e barreiras desagradáveis ​​podem ser reduzidas e você pode descobrir oportunidades douradas.

O processo de gestão de riscos também ajuda a resolver problemas quando ocorrem, porque esses problemas foram planejados e os planos para tratá-los já foram desenvolvidos e acordados. Você evita reações impulsivas e entra no modo “fogo combate” para corrigir problemas que poderiam ter sido antecipados.

Isso faz com que equipes e partes interessadas fiquem mais felizes e menos estressadas. O resultado final é que você minimiza os impactos das ameaças de TI e captura as oportunidades que ocorrem.

6. Aceitar o risco

As violações de alto perfil demonstram, mesmo com processos de segurança robustos, que as organizações podem sofrer uma violação. Quando as medidas de segurança falham, podem ocorrer impactos financeiros (por exemplo, monitoramento de crédito para clientes afetados, aumento de custos de processamento de transações ou multas avaliadas por agências reguladoras).

As organizações devem entender sua exposição financeira em relação a um conjunto de dados comprometido. Nesse ponto, a organização pode avaliar a eficácia geral do seu processo de segurança e decidir se aceita esse risco ou transfere esse risco por meio de uma política de responsabilidade civil.

Quer saber mais sobre gestão de risco? Assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *