Tipos de nuvem: qual é a melhor para a sua empresa?

Tipos de nuvem: qual é a melhor para a sua empresa?

Há vários tipos de nuvem, e compreender as diferenças é fundamental para escolher o caminho certo para sua empresa. A computação em nuvem é um método para fornecer serviços de TI nos quais os recursos são recuperados da Internet por meio de ferramentas baseadas na web, armazenados em servidores e data centers.

Em vez de salvar arquivos em disco rígido ou dispositivo local, o armazenamento baseado em nuvem permite salvá-los remotamente, em data centers próprios ou compartilhados. Enquanto houver internet, é possível ter acesso às informações e aos programas de software para executá-lo.

É conceituada de computação em nuvem porque a os dados que estão sendo acessados estão no que é chamado de “nuvem” e não necessitam que um usuário esteja em um lugar definido para obter acesso a eles, podendo trabalhar de forma remota.

Algumas empresas ainda têm seus receios sobre a computação em nuvem e como isso pode beneficiar suas empresas. Outros não decidiram quais serviços baseados na nuvem suportarão melhor suas operações comerciais ou tem dúvidas sobre segurança ou o retorno financeiro deste investimento.

Antes de decidir se a computação em nuvem é ideal para sua empresa, você precisa entender os três tipos diferentes de nuvens e como elas podem afetar suas atuais operações de TI. Continue a leitura!

Tipos de nuvem

Os serviços de computação em nuvem podem ser privados, públicos ou híbridos.

As nuvens públicas são fornecidas por empresas como Amazon, Google e IBM e, em teoria, todos essas “nuvens” compartilham espaço e tempo no mesmo data center e são acessadas da mesma maneira, com pouco espaço para ajustes e customizações.

Já as nuvens privadas trabalham tecnicamente da mesma forma, mas atendem uma única empresa, sendo administradas exclusivamente por essa empresa ou por um dos grandes fornecedores da nuvem.

Eles estão totalmente integrados às redes, intranet, bancos de dados e infraestrutura existentes da empresa, abrangendo países ou continentes da mesma forma.

Caso as empresas percebam que nenhuma dessas alternativas se ajusta ao seu negócio — eles precisam de elementos de cada um —,  optam por nuvens híbridas que combinam o melhor dos dois mundos, conectando sua infraestrutura de TI existente a um sistema de nuvem pública.

Confira a seguir as características principais de cada uma delas. Continue a leitura!

Privada

Os serviços de nuvem privada são entregues do data center de uma empresa para usuários internos. Este modelo oferece a versatilidade e a conveniência da nuvem, preservando a gestão, controle e segurança comuns aos data centers locais.

A nuvem privada é uma infraestrutura definida para uso exclusivo para uma única empresa, seja administrada de forma interna ou por terceiros.

As nuvens privadas podem tirar proveito das vantagens da nuvem, ao mesmo tempo em que proporcionam maior controle de recursos.

Principais aspectos da nuvem privada

  • Construída e operada de forma privada para apenas uma empresa.
  • São criadas e gerenciadas na rede da empresa pela equipe de TI interna, por isso exigem um alto grau de especialização em tecnologias como a virtualização.
  • Elas podem ser sediadas fisicamente tanto em data center local como podem ser contratadas junto a fornecedores de infraestrutura de nuvem. Elas ficam em um data center remoto, mas são configuradas como uma nuvem de rede privada.
  • As nuvens privadas costumam ser mais caras do que as nuvens públicas e demoram mais para serem implementadas. Elas podem ficar mais baratas caso sejam feitas junto a provedores terceirizados.
  • Oferecem mais privacidade, maior controle sobre os dados e uma maior segurança.

Para quem é indicada?

As nuvens privadas são boas para empresas em indústrias altamente regulamentadas, onde as questões de conformidade são primordiais e para aplicações de alto desempenho que processam enormes quantidades de dados.

O custo da criação de uma nuvem privada pode ser substancial e, portanto, são mais frequentemente empregadas por corporações de grande porte.

Pública

No modelo de nuvem pública, um fornecedor de serviços de nuvem entrega o serviço através da internet. Os serviços de nuvem pública são vendidos sob demanda, normalmente por minuto ou hora, embora os compromissos de longo prazo estejam disponíveis para muitos serviços.

Os clientes só pagam pelos ciclos de CPU, armazenamento ou largura de banda que eles consomem.

Ou seja, as nuvens públicas são de propriedade e operadas por empresas que oferecem acesso rápido em uma rede pública a recursos computacionais acessíveis.

Com os serviços de nuvem pública, os usuários não precisam comprar hardware, software ou infraestrutura de suporte físico, que é de propriedade e gerenciada pelos provedores.

Principais aspectos da nuvem pública

  • O serviço é hospedado, gerenciado e mantido na infraestrutura do provedor da nuvem.
  • A nuvem pública é utilizada por vários “inquilinos”, porque mais de uma empresa pode acessá-la.
  • Apesar de algumas empresas possuírem preocupações sobre segurança e privacidade, os serviços públicos baseados na nuvem são flexíveis, econômicos e convenientes para muitas pequenas empresas.
  • As nuvens públicas geralmente podem oferecer maior disponibilidade e acesso a tecnologias mais recentes – tanto para inovações como para atualizações de segurança – do que as pequenas empresas podem pagar em suas próprias redes.

Para quem é indicada?

Um serviço de nuvem pública é útil para cargas de trabalho que variam muito (como as de sites e blogs) e para pequenas empresas que não têm capital para investir na própria infraestrutura.

As nuvens públicas também podem ser apropriadas se os usuários estiverem dispersos entre vários locais e precisarem acesso aos dados da empresa.

Muitas empresas usam serviços públicos de nuvem para armazenamento de dados e backups em vez de comprar dispositivos e softwares físicos dispendiosos.

Híbrida

A nuvem híbrida é uma combinação de serviços de nuvem privada local e uma nuvem pública, com interação e automação entre as duas.

As empresas podem executar cargas de trabalho de missão crítica ou aplicativos sensíveis na nuvem privada e usar a nuvem pública para lidar com explosões de carga de trabalho ou picos de demanda.

O objetivo de uma nuvem híbrida é criar um ambiente unificado, automatizado e escalável que aproveite tudo o que uma infraestrutura de nuvem pública possa fornecer, enquanto ainda mantém o controle sobre dados de missão crítica.

Ainda, uma nuvem privada não pode se manter isoladamente do restante dos recursos de TI da empresa e da nuvem pública.

A maioria das empresas com nuvens privadas evoluirá para gerenciar cargas de trabalho em data centers, nuvens privadas e nuvens públicas, criando assim nuvens híbridas.

Principais aspectos da nuvem híbrida

  • Para as grandes empresas, uma nuvem híbrida pode incluir uma nuvem privada que interage com uma nuvem pública.
  • Para pequenas empresas, é mais provável que uma implantação de nuvem híbrida seja uma nuvem privada virtual ou hospedada, o que lhe dá acesso a recursos dedicados hospedados por um provedor de serviços em uma nuvem pública.
  • Facilita a portabilidade de dados, aplicativos e serviços e mais opções para modelos de implantação
  • Oferece segurança, flexibilidade e custos mais baixos do que uma nuvem privada pura.

Para quem é indicada?

Um nuvem híbrida é indicada para empresas de qualquer tamanho que exigem uma solução mais personalizada.

Por exemplo, uma empresa pode armazenar seus dados de arquivamento ou de backup em uma nuvem pública, mas armazenar os dados vitais para suas operações do dia a dia em uma nuvem privada.

O que achou do conteúdo? Quer continuar aprendendo sobre tipos de nuvem? Confira mais em nosso artigo sobre O que esperar da performance do seu software na nuvem? Além disso, não deixe de assinar nossa newsletter!

Fornecedor de TI: como escolher os melhores?

Fornecedor de TI: como escolher os melhores?

Precisa otimizar a velocidade dos processos? Quer melhorar o desempenho, aumentar a satisfação dos clientes e reduzir os custos e, por isso, deseja encontrar um fornecedor de TI para entregar a consultoria necessária para a concretização dos projetos. Melhor ainda, um fornecedor que também se torne um verdadeiro parceiro de negócio.

Então, saiba que você está no lugar certo! Aqui, vamos mostrar o que deve ser considerado para que a sua escolha seja a melhor possível. Diante da infinidade de possibilidades que o mercado oferece, não há como negar o fato de que decidir por quem será o provedor dos serviços pode ser uma tarefa difícil.

É exatamente por essa razão que os gestores do setor devem saber identificar quais são os melhores, analisando as questões principais no que se refere aos diferenciais de atuação: essa é a única forma de garantir que se consiga uma implementação bem feita do ponto de vista da segurança, disponibilidade e custos.

Pensando nisso, preparamos este artigo para apresentar quais são os fatores a levar em consideração para maior acerto nas suas decisões. Portanto, não perca essa leitura em hipótese alguma. Confira!

Parcerias e certificações

Para começar, nada melhor do que analisar as parcerias e certificações do fornecedor. O motivo disso é que elas servem como autenticação de que os serviços são ofertados de forma profissional.

Ao fazer a sua pesquisa, observe se há ligações com empresas como:

  • Microsoft;
  • Oracle;
  • Dell;
  • IBM;
  • Citrix;
  • VMWare;
  • Intel.

Embora haja diversas outras, essas algumas das principais players de tecnologia do mundo, as quais permitem o licenciamento e a oferta de soluções gerenciadas atestando a capacidade dos fornecedores com as suas certificações.

Posicionamento de mercado do fornecedor de TI

Em seguida, averigue o posicionamento de mercado, um fator fundamental para que você possa evitar maiores problemas. Nesse sentido, procure por informações que tornem o fornecedor de TI reconhecido por algo.

Ele está crescendo? Quem são os seus principais clientes e de quais classes e entidades ele participa? Tudo isso é muito importante, afinal, a posição que ele ocupa no setor é um excelente indicativo para ajudar na sua escolha. O tempo de experiência no negócio também deve ser considerado.

Além disso, procure obter referências do próprio mercado, ou seja, de quem está utilizando os serviços. Entre em contato com os clientes atendidos e/ou verifique as avaliações do potencial novo parceiro nas mídias sociais.

Aliás, vale dizer que, nesse contexto, o LinkedIn será de grande ajuda. Por ser uma rede corporativa e totalmente voltada ao ambiente profissional, talvez você consiga encontrar os gestores e diretores da companhia.

Com isso, poderá contatá-los e, consequentemente, ter uma conversa direta que lhe permita conhecer uma série de projetos realizados e seus respectivos casos de sucesso. Certamente, essa experiência será muito valiosa para uma decisão segura.

Infraestrutura de serviço

Outro aspecto que não poderia ficar de fora da sua análise é a infraestrutura de serviço. O ponto a destacar, nesse caso, é que quanto mais robusta e tecnológica ela for, teoricamente, melhor será a sua qualidade.

Assim sendo, avalie, por exemplo, quais são as plataformas e soluções oferecidas. Uma ótima alternativa seria visitar o parque de tecnologia do fornecedor. No entanto, devido às políticas de acesso e controle, isso nem sempre será possível.

De qualquer maneira, informe-se sobre os sistemas utilizados e as formas de proteção. Esse tipo de informação não é difícil de conseguir: às vezes, são apresentadas no site da própria organização.

Qual é a escalabilidade dos serviços? Será que, se você crescer 40% em um ano, o fornecedor será capaz de suportar essa demanda? Ter o conhecimento acerca da infraestrutura é imprescindível para que a sua escolha não comprometa a expansão do seu negócio.

Características do suporte ao cliente

Por último, mas não menos relevante em relação a tudo o que já falamos até aqui, estão as características do suporte ao cliente. Mais do que apenas a qualidade do atendimento em si, a capacitação dos técnicos também deve ser observada.

O ideal é que eles sejam capazes de atuar em duas frentes: na consultoria estratégica e no apoio para o monitoramento e o gerenciamento, inclusive nas situações mais críticas.

Quanto à disponibilidade, seja exigente: não espere nada menos do que um suporte de 24 horas por dia, 7 dias por semana e 365 dias por ano, tanto por telefone, chat ou e-mail, por exemplo.

E não é preciso nem falar que o atendimento precisa ser rápido e eficiente para que a produtividade da sua empresa não seja prejudicada. Para ter certeza sobre isso, lembre-se da importância de obter as referências do próprio mercado entrando em contato com os clientes já atendidos, conforme já citamos anteriormente neste artigo.

Para concluir, não poderíamos deixar de dizer que, antes de tomar uma decisão, você precisa entender se é mais interessante contratar vários fornecedores (multisourcing) ou somente um (fullsourcing). Para isso, é necessário olhar o seu processo interno com muita atenção.

Vale ressaltar que, para encontrar um bom fornecedor de TI, competente no que faz e que consiga se adequar as suas necessidades, é essencial levar em consideração o conjunto preço, serviço e qualidade.

Por quê? Porque esse é o único modo de chegar a um bom custo-benefício. Essa questão ganha destaque pela seguinte verdade: o valor dos serviços não é uma garantia de que os seus anseios serão atendidos.

Portanto, tenha cuidado na sua avaliação para que você tenha um veredito correto, isto é, escolhendo os melhores fornecedores do setor. O sucesso dessa escolha lhe garantirá uma visibilidade positiva perante os seus diretores, especialmente se ela fizer parte de um projeto significativo e de valor para as pretensões futuras da organização (assim como uma grande falha pode se tornar bastante prejudicial).

O que você achou deste artigo? Gostou? Se deseja saber mais e está procurando por um fornecedor de TI que possa atender às expectativas da sua empresa, entre em contato conosco para conhecer nossas soluções. Nossa equipe está pronta para tirar todas as suas dúvidas e fará o possível para ajudar!

Saiba por que investir em uma Consultoria em TI

Saiba por que investir em uma Consultoria em TI

O mundo da tecnologia da informação evolui em ritmo acelerado. Todos os dias surgem novas tecnologias, novas formas de comunicação, novas especializações e tendências, o que faz uma consultoria de TI necessária.

Companhias de todos os ramos de atividade são dependentes de produtos de TI, e com tantas novidades e inovações, é normal que sua empresa não se beneficie de todas elas e fique para trás em algum aspecto.

Para que isso não ocorra, a solução é contar com os serviços de uma consultoria em TI. Deixar sua área de TI para profissionais especializados certamente aumentará sua produtividade, pois a carga de esforços da sua equipe interna será diminuída e os trabalhos serão direcionados para a atividade principal de seu negócio.

Para que você saiba como profissionais especializados em tecnologia da informação podem ajudar a sua empresa, confira este post. Aqui nós enumeraremos algumas vantagens que sua empresa poderá obter. Boa leitura!

Foco no seu negócio

Muitos aplicativos e muitas tecnologias são necessários para que a sua empresa consiga manter-se atualizada — computadores, redes, aplicativos, ERP, website, marketing digital, tratamento de dados, gestão de vulnerabilidades…

Com tantas coisas envolvidas, fica difícil escolher quais são as melhores opções para o seu caso e, por isso, o consultor especializado será importante para orientá-lo e ajudar você a escolher quais são as soluções indicadas para a sua empresa.

Certamente, um dos principais benefícios de contratar uma consultoria na área de TI é que você poderá direcionar toda a sua atenção e os seus esforços para o que interessa. Ou seja, você poderá focar em seus produtos, serviços e clientes.

Redução de custos

Com tantas tecnologias e particularidades envolvidas na área de TI, é necessário ponderar e analisar quais são as ferramentas mais indicadas para o seu caso, principalmente para saber onde investir seus recursos financeiros.

O consultor especializado conhecerá a realidade de seu negócio e saberá quais são os recursos financeiros disponíveis. Assim, ele poderá indicar as soluções mais adequadas para encaminhar os investimentos de sua empresa.

Em um primeiro momento você poderá imaginar que o investimento em uma consultoria aumentará os gastos da empresa, mas, na prática, sua empresa economizará no longo prazo — pois esse serviço ajudará você a conter desperdícios e a evitar investimentos inadequados na esfera de TI.

Otimização de tarefas e processos

Negócios de todos os portes e nichos envolvem tarefas e procedimentos que podem ser automatizados — uma consultoria em TI poderá orientar quais desses processos podem e devem ser realizados de maneira automática.

Isso aumentará sua produtividade, pois os esforços de seus colaboradores poderão ser direcionados para tarefas mais estratégicas e que não podem ser executadas de forma automática. Conforme mencionamos, o foco no core business fará com que sua equipe tenha mais tempo para criar e inovar — veja mais sobre isso no próximo tópico.

Inovação e competitividade

Deixar sua equipe interna livre para trabalhar na criação e no aprimoramento de produtos e serviços é seguramente uma das maiores vantagens de contratar uma consultoria em TI.

Com seu time isento da responsabilidade da gestão de TI, o tempo que seria necessário para a solução de problemas nessa área pode ser direcionado para a inovação e o aperfeiçoamento do negócio, mantendo sua empresa antenada nas tendências atuais — e, consequentemente, aumentando sua competitividade no mercado.

Comunicação aprimorada

O consultor profissional em TI poderá, ainda, auxiliar sua empresa a melhorar a comunicação com seus clientes. Nesse âmbito, muitas coisas podem ser automatizadas, como, por exemplo, o marketing digital e a interação via chat bot — que pode solucionar determinados casos de suporte sem a intervenção de um profissional.

A consultoria também auxiliará a sua empresa na implementação da mentalidade customer success, visando acompanhar os seus clientes em todo o ciclo e obter consumidores satisfeitos e fidelizados.

Caso você ainda não esteja familiarizado com o termo customer success (“sucesso do cliente”, em português), trata-se de mudar a metodologia da empresa — que deixa de focar em número de vendas e metas e passa a ter como prioridade a solução verdadeira dos problemas de seu cliente.

Ou seja, ela passa a ser orientada pela busca por uma melhoria contínua e efetiva na vida e nos negócios de seus consumidores.

Transformar dados em oportunidades de negócios

As atividade operacionais de sua empresa geram uma grande quantidade de informações. Dados e comportamentos de seus clientes podem ser armazenados e posteriormente trabalhados para entender as dores e as prioridades de seus consumidores.

Para isso, o profissional especializado da consultoria em TI poderá orientá-lo a fazer investimentos em big data, machine learning e deep learning. Caso você não conheça essas tecnologias, podemos brevemente dizer que elas fazem parte do campo da ciência da computação, da inteligência artificial e da análise de dados.

Com elas, sua empresa poderá identificar padrões e comportamentos ocultos e aplicar modelos preditivos em grandes volumes de dados, visando a inovação e a geração de oportunidades de negócios.

Segurança de aplicativos e dados

Atualmente, todas as empresas devem marcar presença online — no entanto, esse mundo conectado oferece muitos riscos. Ciberataques multiplicam-se e os criminosos estão cada vez mais ousados e sofisticados em seus procedimentos.

Em relação à segurança, a consultoria também poderá fazer a gestão de vulnerabilidade, mantendo seus aplicativos e dados seguros — seja com atualizações, instalação de firewall, antivírus e outros serviços voltados para manter a sua empresa e os dados de seus consumidores protegidos.

Este post elenca algumas vantagens e serviços que uma consultoria em TI pode oferecer à sua empresa, mas as possibilidades trazidas por ela são várias.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre como uma consultoria em TI pode ajudar a sua empresa a inovar, a reduzir custos e a melhorar aos olhos de sua equipe e de seus clientes, aproveite para entrar em contato conosco e entender como nós podemos ajudá-lo.

As 9 tendências de TI para 2018 que você precisa conhecer

As 9 tendências de TI para 2018 que você precisa conhecer

A Gartner — empresa referência de consultoria em tecnologia  realiza anualmente um evento sobre tendências de TI para mostrar o que pode se tornar realidade nos próximos anos. As previsões se baseiam no quanto as tecnologias podem ser disruptivas e por isso são tão relevantes para quem trabalha na área.  

Essas mudanças afetam diretamente as empresas no mundo todo, já que hoje a transformação digital é um diferencial competitivo. O Brasil ainda tem que avançar bastante nesse ponto. Segundo o Índice Nacional de Inovação feito pela Universidade de Cornell, em parceria com a escola de negócios Insead e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), o país ocupa a 69ª posição entre as 130 economias analisadas. 

Para os executivos da Gartner, as novas tecnologias são estratégicas e essenciais para quem quer inovar no mercado. Então, para facilitar o entendimento do assunto, separamos neste post as 9 maiores tendências de TI para 2018. Acompanhe e conheça!

1. Inteligência artificial na base de tudo

A inteligência artificial já está no mercado e será cada vez mais a base para sistemas que aprendem sozinhos. Isso vai potencializar a tomada de decisão, a experiência dos clientes e reinventar os modelos de negócio nos próximos anos.

No entanto, para conseguir chegar lá, alguns preparativos têm que começar hoje. Entre eles, destaca-se o treinamento de equipes com habilidades específicas e voltadas para a criação de modelos e algoritmos. Outra iniciativa essencial é investir na integração e preparação de centros de dados que suportem a operação.

2. Aplicações inteligentes e analytics aumentada

Com sistemas dotados de inteligência artificial, as aplicações que fazem o intermédio entre eles e os usuários também terão que ter algum tipo de IA. Algumas combinarão inteligência artificial e machine learning para agregar mais valor ao dia a dia dos profissionais.

A “analytics aumentada” que estará nessa camada intermediária promete transformar o trabalho humano com o aprendizado da máquina, automatizando a preparação dos dados e descobrindo visões aprofundadas. Esse aprendizado ampliará as possibilidades do trabalho humano sem a pretensão de substituí-lo, como muitos temem. 

3. Coisas inteligentes

Após a evolução da internet das coisas e com a chegada da IA, os objetos poderão realizar tarefas de forma cada vez mais autônoma ou semiautônoma. Isso também fará com que as empresas invistam mais em seus bancos de dados e infraestrutura. 

Um bom exemplo é o carro do Google, que dirige sozinho. Outro é um aparelho doméstico que usa o acesso ao computador e aprendizado para limpar uma casa sem precisar dos comandos de seu proprietário.

4. Gêmeo digital

Tudo o que uma empresa possui no ambiente físico será replicado no mundo digital. Na primeira etapa dessa evolução tecnológica, a representação virtual terá como objetivo simular o objeto real para melhorar operações e fazer com que as empresas economizem recursos antecipando problemas.

Em uma segunda fase, a ideia é que o objeto real se conecte com o virtual para que os insumos e dados sejam transferidos diretamente e em tempo real. O potencial dessa evolução se reflete em médicos proferindo um melhor diagnóstico aos pacientes e em melhorias para uma cidade inteira.

5. Edge Computing

Como você deve ter percebido, algumas tendências de TI estão interligadas. É o caso da tecnologia Edge Computing, uma tipologia de computação em que o processamento de dados, coleta e a distribuição de conteúdos estarão próximos das fontes de informação.

Isso vai acontecer porque necessitam cada vez mais de respostas rápidas para os seus processos de tomada de decisão autônoma, a exemplo do carro que já citamos. Assim, as empresas que ainda não têm cloud computing terão que dar saltos ainda maiores para entrar nessa onda. 

6. Plataformas de conversação

As plataformas de conversação também estão mudando a maneira como os usuários interagem com o mundo digital. Em vez do usuário ter de se adaptar à linguagem do computador, agora a responsabilidade por compreender a mensagem fica com a máquina.

Em alguns anos, veremos essas plataformas se tornando o principal meio de comunicação com o mundo digital. Elas terão hardware dedicado e estarão no ‘core’ de aplicações ou sistemas. 

7. Blockchain

Essa tecnologia começou no setor financeiro, mas nos próximos anos poderá ser expandida tanto para as grandes empresas quanto para as startups. Hoje ela é uma espécie de livro de registro virtual e compartilhado para garantir a segurança das transações via moeda virtual. Ela promete ser a mais disruptiva das tendências que apresentamos até agora. 

A Blockchain passará de um simples suporte de infraestrutura para criptomoedas e se transformará em uma plataforma de transformação digital. Apesar de ser uma evolução a longo prazo, as empresas podem começar a entendê-la hoje para enxergar oportunidades no uso dessa tecnologia. 

8. Foco em eventos

Os eventos já existem nos negócios digitais de uma forma simples, como uma simulação de uma compra em um site. Agora, com outras tendências combinadas a eles  como a internet das coisas , os eventos mais complexos poderão ser identificados de forma mais rápida e assertiva. 

Para que uma empresa seja focada em eventos nos próximos anos, só a tecnologia não será suficiente. É preciso, também, uma mudança na gestão e preparo da equipe que analisa e arquiteta o planejamento desses eventos. 

9. Adaptação contínua do risco e da confiança

Por último, temos o que vem sendo chamado de CARTA – Continuous Adaptive Risk & Trust. Hoje, existem inúmeros ataques cibernéticos voltados para as grandes empresas. Imagine isto em um mundo ainda mais dependente da tecnologia?

Para evitar problemas, os gestores de segurança da informação terão que dedicar tempo para estudar os avanços nesse sentido. As infraestruturas de segurança também devem estar preparadas para analisar riscos e confiança com respostas mais rápidas, em tempo real. 

Vem muita mudança e tendências de TI por aí, não é mesmo? A melhor maneira de se preparar para elas é olhar para o que a sua empresa tem hoje e analisar se a infraestrutura suportará ou não essas mudanças.

Quer continuar por dentro das novidades do setor? Então, siga os nossos perfis no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!